Saltar para o conteúdo

sabes uma coisa?

26/06/2013

Sabes uma coisa? Eu gosto muito de ti. Sempre gostei. Por toda a nossa história, por todas as nossas estórias, pela nossa vida em comum. Pelas nossas famílias. Eu sempre gostei de ti. Desde pequenina. Era inevitável não gostar. Sempre fizeste parte da família, como se família de sangue fosses. Mas isso não significaria que ao crescer eu continuasse a ter esta admiração por ti, este amor. Não temos de admirar e amar profundamente a família só porque é família. Não temos de ser quem não somos. E sei lá, podias ser uma pessoa daquelas muita parvas que eu suportaria por educação. Mas não. És uma pessoa linda, amorosa, amiga. És uma profissional séria e lutadora. És minha conselheira: seguimos uma mesma linha de pensamento e estamos na vida de uma forma muito igual. E gostas de mim. E respeitas-me. E dizes-me coisas bonitas para me alegrar e animar os dias mais cinzentos.  E dizes que quando cresceres queres ser como eu, quando te digo que na vida tudo se ultrapassa e que o dia de amanhã vai concerteza ser melhor. Logo tu a dizeres isso! Tu que poderias ser a minha irmã grande, caso pudesse escolher uma!!! Tu que aturaste os intensos primeiros anos da minha vida com o meu choro interminável!! Tu que me aturas hoje tantos desabafos e neuras!! Porque mesmo à distância de um oceano, ainda me ouves e me dás o teu ombro amigo e me ensinas a viver!

Abracinho forte e beijinho repenicado meu amor maior! Parabénssssssssssss ❤

ups!

21/06/2013

“A vida é feita de escolhas. Quando você dá um passo à frente, inevitavelmente alguma coisa fica para trás.”

Caio F. de Abreu

palavras de outros, que podiam ser as minhas #3 e eu a dar-lhe na defesa dos professores

17/06/2013

“Sou filha de professores e, por isso, falarei por experiência própria e usarei o meu livre arbítrio para o que me apetecer dizer.

Nenhum professor é igual, nenhum usa o mesmo método de trabalho do colega. Por isso, quando dizem “mas nem todos trabalham” pode ser verdade. Uns não trabalham mesmo. Outros têm outros métodos.

Lá em casa, o meu pai é diferente da minha mãe. E, modéstia à parte, são os dois ótimos professores.

Mas uma coisa acontece em comum – ambos trabalham bem mais de 40h, 45h ou 50h semanais. Isto, sem falar em correções de exames, em preparação de aulas e em testes.

Os filhos? A família? Estão por lá. Acompanham-nos e acompanhamo-nos sempre que possível. A avó sempre fez jeito, quando éramos pequenos e não podíamos ficar sozinhos em casa quando as reuniões começavam fora do horário não letivo mas sim de escola e terminavam 21h30/22h.

Hoje, leio muita indignação não só com a greve, mas com os motivos da greve.

Enquanto estudei, apanhei uma série de greves, porque fui presenteada com a Sra. Ministra Maria de Lurdes Rodrigues que conseguiu iniciar este massacre aos professores que até hoje não acabou.

As greves nunca me fizeram mal. E não era por ir para casa ou por não ter aulas. Era pela discussão que isso trazia. Todos perguntávamos porquê, quando, e como é que se faz greve. Chegámos mesmo a conseguir fazer uma greve de estudantes do secundário e uma manifestação.

Ninguém nos levou a sério, porque éramos putos.

Tudo bem. Nós continuamos nas nossas lutas e, hoje, já não somos putos e já não somos meia dúzia. Hoje já conseguimos ser milhares nas ruas a lutar pela dignidade que tentam, ostensivamente, roubar-nos.

Chega!

Chega de uma escola pública onde quase-obrigam os professores a passar os miúdos de ano para a estatística. Chega de uma escola pública onde não há condições de trabalho nas salas. Chega de uma escola pública onde os professores, além das 35h semanais, levam com reuniões fora do horário e levam uma panóplia de trabalhos para casa que ocupam horas e horas do seu tempo, porque na escola estão sobrecarregados com turmas a mais, alunos a mais, substituições a mais, cargos a mais.

Chega de tentar acabar com a escola pública. Chega.

E antes que se perguntem, sim, conheço o mundo dos colégios privados porque estudei lá 11 anos da minha vida e muito daquilo que sei e sou, devo-o a isso.

E não, não é melhor. É diferente – tinha 33 alunos na turma, em salas onde mal cabíamos. Os professores, mal pagos, também com horários de cão. E não, ninguém morreu. Os que estavam à frente ou que eram mais inteligentes tinham boas notas. Os que necessitavam de mais apoio iam ficando para trás e, de preferência, saindo da turma e do colégio para não dar má imagem.

Hoje é dia de greve e solidarizo-me totalmente com os meus pais. E com aqueles que foram meus professores e hoje são amigos, a quem devo, efetivamente, muito daquilo que sou.

Não me venham falar de outras classes operárias que trabalham as 40h ou mais. Se não fazem nada para mudar a situação, vou supor que estão bem assim, certo?

Não me venham falar nos meninos e que estão a prejudicá-los, porque se há alguém a lutar pelo futuro deles são, mais do que os pais, os professores, que querem fazer parar esta máquina nojenta que é o governo, para que, daqui a 2/3 meses ou 3 anos, os mesmos meninos que hoje estão a ser “prejudicados” não tenham que emigrar, não tenham que dizer “não fui para a universidade porque os meus pais não tinham dinheiro para as propinas” ou “não consigo arranjar trabalho porque não tenho as competências necessárias porque a escola pública portuguesa, ao pé das outras, não nos dá as condições necessárias para aprendermos”.

Estou em total solidariedade com os professores.

É preciso enfrentar o governo até às últimas. Quer dizer, o meninos Passos diz “se não mudam a data da greve mudamos nós a lei” e está tudo bem? E faz de conta que ele não disse nada?

Acordem, meninos, acordem.

Chega desta dormência que nos afecta a todos quando em casa, mesmo não havendo pão, há alguma coisa que nos aprimore a imagem!

Chega de ficarmos todos calados e de irmos para o café das lamentações ao fim do dia.

Usem os espaço e tempo que têm e façam ouvir-se.

Os professores estão a fazê-lo e eu estou com eles!”

Mariana Sá

quando a solidão aperta

15/06/2013

“Esta coisa terrível de não ter ninguém para ouvir o meu grito. Esta coisa terrível de estar nessa ilha desde não sei quando. No começo eu esperava que viesse alguém, um dia. Um avião, um navio, uma nave espacial. Não veio nada. Não veio ninguém.”

Caio F. Abreu

banda sonora da minha vida #64 tuga, muito tuga

10/06/2013

Apesar da carioquice, já instalada e visível em tantas coisas, o coração e a alma são do mais português que pode haver.

A mudança drástica só aos 30 anos permite que as raízes, as origens não se desvaneçam.

E apesar do sotaque que escolhi ter em terras de além mar (para me facilitar a vida), apesar do amor pelo sol carioca, pelos sumos de maracujá, pela Lapa e Ipanema, pelos amigos que aqui fiz, o meu país é a minha casa. Por mais que me tenha apaixonado loucamente pelo Rio e por este povo tão apetecível , nunca me sentirei tão em casa como em Portugal. É pra lá que voltarei sempre que precisar de um porto de abrigo.

E é por isso que hoje celebro o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades com este final de concerto que me é tão querido:

banda sonora da minha vida #63

07/06/2013
It really really really could happen
Yes it really really really could happen
When the days they seem to fall through you
Just let them go
The universal, Blur

aaaaUuuummmmm…

06/06/2013

keep-calm-and-listen-to-bossa-nova-2

banda sonora da minha vida #62 viagem no tempo #3

05/06/2013

do dia da criança

01/06/2013

lá longe, do outro lado do mar

931438_330249343768344_610544534_n

do que se aprende com a vida de todos os dias

23/05/2013

Mil vezes o desassossego que o amor causa, que a pasmaceira da sua ausência.

eu também

22/05/2013

“cresci a achar que a democracia e o estado de direito social eram tão elementares quanto os elementos naturais. cresci a achar que caminhar para uma cidadania integradora era tão inteligente quanto usarmos os pulmões. e não estou preparado para deixar de acreditar nisso. destruir o estado social e fazer da democracia uma ditadura não permite o meu silêncio. a construção da república portuguesa é sagrada porque o meu país é sagrado para mim. este 25 de abril não é exactamente uma celebração. este 25 de abril de 2013 é, outra vez, um protesto.”

valter hugo mãe

e no meio de tanta coisa feia…

17/05/2013

… há notícias destas vindas do nosso cantinho à beira mar plantado!!! Sei que não fui directamente eu que aprovei o documento, mas sinto como se fosse. É para sentir assim que os elegemos, certo? É novamente um orgulho saber que o meu amado país [falo do país!!!! não do governo!!!] , em plena crise económica, consegue ver mais além e não deixa cair uma matéria tantas vezes considerada “menor”. É um orgulho pertencer a um povo que faz coisas destas!!

Clap clap clap: aos autores do documento, aos deputados que o aprovaram!!!

[sim eu sei que o objectivo é adopção plena, mas se precisamos de pequenos passos para lá chegar então vamos dá-los!!]

possessões #13 almofadas lindonas

13/05/2013

E a tortura que foi escolher umas quantas para mostrar aqui…. Todas? Aqui.

almofadas lindonas

pra estes dias é o que temos

09/05/2013

Vou só ali cumprimentar o deus do surf e meu herói de adolescência e já volto, sim?

slater_4

(aqui)

do bom que Coimbra produz

09/05/2013

Certo e sabido do meu amor à minha cidade. Certo e sabido da minha paixão pela música. Certo e sabido do quanto aprecio os projectos que saem da junção dos dois. Certo e sabido que ia gostar do mais recente projecto: Pensão Flôr. O que me fez apaixonar? A harmonia de Na Volta de Um Beijo

[e não, não gosto só porque é de Coimbra! gosto porque é bom, muito bom! pelo menos pra mim...]

palavras de outros, que podiam ser as minhas #2 mãe

05/05/2013

“Porque tudo aquilo que fazes crescer faz crescer também, dás vida que dá vida. A mim, que sou teu filho, teu filho, deste-me toda a vida que tenho e dás-me sempre o teu amor mais brilhante. Mesmo quando estou onde não podes estar, mesmo quando estás onde não posso estar, sabemos bem o tamanho dessa certeza que nos une. Eu tenho a certeza de ti, tu tens a certeza de mim. Amor, essa palavra. Mãe, choves essa palavra dentro de mim. Agradeço o milagre que me deste, me dás e que permanece sempre comigo. Foi preciso vir aqui, ao teu lugar, para te dizer aquilo que só aqui fui capaz de saber. Agradeço-te com amor, tenho orgulho de ti com amor, sou feito de ti com amor. És minha mãe inteira e eu sou teu filho inteiro.”

José Luís Peixoto, in A mãe que chovia

banda sonora da minha vida #61 das inevitáveis saudades

02/05/2013

Inevitavelmente a saudade bate forte em dias como o de hoje e a lágrima é fácil a este som….

gosto de ti todos os dias #16

02/05/2013

“Como é incômodo estar diante de uma pessoa com quem se trocou emoção intensa e depois cruzar e dizer apenas: tudo bem?”

Caio F. de Abreu

abrilismos

25/04/2013

 

Foram dias foram anos a esperar por um só dia.
Alegrias. Desenganos. Foi o tempo que doía
com seus riscos e seus danos. Foi a noite e foi o dia
na esperança de um só dia.

Foram batalhas perdidas. Foram derrotas vitórias.
Foi a vida (foram vidas). Foi a História (foram histórias)
mil encontros despedidas. Foram vidas (foi a vida)
por um só dia vivida.

Foi o tempo que passava como se nunca passasse.
E uma flauta que cantava como se a noite rasgasse
toda a vida e uma palavra: liberdade que vivia
na esperança de um só dia.

Musa minha vem dizer o que nunca então se disse
esse morrer de viver por um dia em que se visse
um só dia e então morrer. Musa minha que tecias
um só dia dos teus dias.

Vem dizer o puro exemplo dos que nunca se cansaram
musa minha onde contemplo os dias que se passaram
sem nunca passar o tempo. Nesse tempo em que daria
a vida por um só dia.

Já muitas águas correram já muitos rios secaram
batalhas que se perderam batalhas que se ganharam.
Só os dias não morreram em que era tão curta a vida
por um só dia vivida.

E as quatro estações rolaram com seus ritmos e seus ritos.
Ventos do Norte levaram festas jogos brincos ditos.
E as chamas não se apagaram. Que na ideia a lenha ardia
toda a vida por um dia.

Fogos-fátuos cinza fria. Musa minha que cantavas
a canção que se vestia com bandeiras nas palavras.
Armas que o tempo tecia. Minha vida toda a vida
por um só dia vivida.”

Manuel Alegre,  Trova do mês de abril

um ano passado da tua partida e eu a admirar-te cada vez mais…

24/04/2013

 “A convicção (católica) que tinha acabou por ser transportada para o comunismo. Porque o comunismo não é mais do que uma religião laica. Quando aderi ao PC transferi de Deus para o homem a mesmíssima crença e a mesmíssima promessa”. (…) “Fui um bom militante. E acho que fui quase tão complicado para o partido como fui para a minha mãe”.

Miguel Portas

[aqui]

[não que eu seja comunista, não que seja católica ferverosa, não que tivesse problema se fosse qualquer uma das coisas, o que vale mesmo aqui é (para mim) a veracidade deste pensamento]

Renovando o meu manifesto


					

13 anos de saudades de te ouvir cantar

23/04/2013

esta

e esta

 

addiction

22/04/2013

everybodyshouldbelieveintsomethingibelievei'llhaveanothercoffe

Caption (optional)

“aqui no brasil”

18/04/2013

Andava eu empenhada a fazer uma lista de coisas que vou vivenciando em terras de Vera Cruz quando, qual vírus, proliferou por essa internet fora uma lista feita por um moçoilo francês que trabalha na Google Brasil. Sendo que ele mora em BH e certas coisas não se aplicam ao Rio, muitas coisas na verdade são transversais aos brasileiros e se, repararmos bem, transversais à tugolândia…

Destaco os pontos que mais sinto [todo o texto pode ser lido aqui]. Qualquer dúvida não hesitem em perguntar 😀

[nota mais que importante: isto não é uma crítica! é simplesmente uma constatação! ;) ]
  • Aqui no Brasil, tudo se organiza em fila: fila para pagar, fila para pedir, fila para entrar, fila para sair e fila para esperar a próxima fila. E duas pessoas ja bastam para constituir uma fila.
  • Aqui no Brasil, o ano começa “depois do Carnaval”.
  • Aqui no Brasil, os casais sentam um do lado do outro nos bares e restaurantes como se eles estivessem dentro de um carro.
  • Aqui no Brasil, todo mundo torce para um time, de perto ou de longe.
  • Aqui no Brasil, a vida vai devagar. E normal estar preso no transito o dia todo. Mas não durma no semáforo não. Ai tem que ser rápido e sair ate antes do semáforo passar no verde. Não depende se tiver muitas pessoas atrás, nem se estiverem atrasados. Também é normal ficar 10 minutos na fila do supermercado embora que tenha só uma pessoa na sua frente. Ai demora para passar os artigos, e muitas vezes a pessoa da caixa tem que digitar os códigos de barra na mão ou pedir ajuda para outro funcionário para achar o preço de um artigo. Mas, na hora de retirar o cartão de credito, ai tem que ser rápido. Não é brincadeira, se não retirar o cartão na hora, a mesma moça da caixa que tomou 10 minutos para 10 artigos vai falar agressivamente para você agilizar: “pode retirar o cartão!”.
  • Aqui no Brasil, e comum de conhecer alguém, bater um papo, falar “a gente se vê, vamos combinar, ta?”, e nem trocar telefone.
  • Aqui no Brasil, a palavra “aparecer” em geral significa, “não aparecer”. Exemplo: “Vou aparecer mais tarde” significa na pratica “não vou não”.
  • Aqui no Brasil, não falta espaço. Falam que o pais tem dimensões continentais. E é verdade, daria para caber a humanidade inteira no Brasil. Mas então se tiver tanto espaço, por que é que as garagens dos prédios são tão estreitos? Porque existe até o conceito de vaga presa?
  • Aqui no Brasil, se produz o melhor café do mundo e em grandes quantidades. Uma pena que em geral se prepare muito mal e cheio de açúcar.
  • Aqui no Brasil, futebol é quase religião e cada time uma capela.
  • Aqui no Brasil, as pessoas acham que dirigir mal, ter transito, obras com atraso, corrupção, burocracia, falta de educação, são conceitos especificamente brasileiros. Mas nunca fui num pais onde as pessoas dirigem bem, onde nunca tem transito, onde as obras terminam na data prevista, onde corrupção é só uma teoria, onde não tem papelada para tudo e onde tudo mundo é bem educado!
  • Aqui no Brasil, existe três padrões de tomadas. Vai entender porque…
  • Aqui no Brasil, se acha tudo tipo de nomes, e muitos nomes americanos abrasileirados: Gilson, Rickson, Denilson, Maicon, etc.
  • Aqui no Brasil, o polegar erguido é sinal pra tudo : “Ta bom?”, “obrigado”, “desculpa”..
  • Aqui no Brasil, tem um jeito estranho de falar coisas muito comuns. Por exemplo, quando encontrar uma pessoa, pode falar “bom dia”, mas também se fala “e ai?”. E ai o que? Parece uma frase abortada. Uma resposta correta e comum a “obrigado” e “imagina”. Imagina o que? Talvez eu quem falte de imaginação.
  • Aqui no Brasil, quando você tem algo pra falar, é bom avisar que vai falar antes de falar. Assim, se ouvi muito: “vou te falar uma coisa”, “deixa te falar uma coisa”, “é o seguinte”, e até o meu preferido: “olha só pra você ver”. Obrigado por me avisar, já tinha esquecido para que tinha olhos.
  • Aqui no Brasil, de vez em quando no vocabulário aparece uma palavra francesa. Por exemplo ‘petit gâteau’. Mas para ser entendido, tem que falar essas palavras com o sotaque local. Faz sentido mas não deixa de ser esquisito.
  • Aqui no Brasil, dentro dos carros, sempre tem uma sacola de tecido no alavanca de mudança pra colocar o lixo.
  • Aqui no Brasil, pode pedir a metade da pizza de um sabor e a metade de outro. Ideia simples e genial.
  • Aqui no Brasil, quando encontrar com uma pessoa, se fala: “Beleza?” e a resposta pode ser “Jóia”. Traduzindo numa outra língua, parece que faz pouco sentido, ou parece um dialogo entre o Dalai-Lama e um discípulo dele. Por exemplo em inglês: “The beauty? – The joy”. Como se fosse um duelo filosófico de conceitos abstratos.

das parecenças

17/04/2013

Tu e eu temos de permeio
a rebeldia que desassossega,
a matéria compulsiva dos sentidos.
Que ninguém nos dome,
que ninguém tente
reduzir-nos ao silêncio branco da cinza,
pois nós temos fôlegos largos
de vento e de névoa
para de novo nos erguermos
e, sobre o desconsolo dos escombros,
formarmos o salto
que leva à glória ou à morte,
conforme a harmonia dos astros
e a regra elementar do destino.

Ode ao gato, José Jorge Letria

possessões #12

15/04/2013

mosaic88847068480bb292aa8023dd4797cf5fa5340ca0

[aqui]

segunda-feira particularmente difícil, por isso…

15/04/2013

facebook_-1902045802

parabéns à prima!

14/04/2013

Durante grande parte da minha vida ela foi a minha única prima direita. Apesar da distância física que sempre nos separou, participámos muito da vida uma da outra (graças aos nossos paizinhos, irmãos, e nossas mãezinhas, mais do que cunhadas, que sempre nos proporcionaram muitos e agradáveis momentos juntas). Pouco mais velha que eu, alinhou sempre comigo em intermináveis “tardes de Barbies”, nos concertos e nas imensas tropelias que juntas resolvíamos fazer (nomeadamente os óptimos bolos de terra que vóvó tanto “apreciava”!!).

A vida tratou naturalmente de nos afastar. Mas o aumento enorme da distância que nos separa hoje e as dificuldades inerentes à grande mudança das nossas vidas, trataram de nos aproximar. E hoje partilhamos regularmente as novidades do calor e do frio, em agradáveis conversas, como se um econtro pró chá das cincos se tratasse!

Por isso, e por tantas outras coisas que para aqui não são chamadas ( :p ) não poderia deixar de, hoje, enviar um “great B-Day” à minha priminha do coração !

Beijinhos aniversariantes cheiinhos de calor zuca, que bem precisas aí!!

um dia eu vou! (só ainda não é este ano…)

12/04/2013

lineup-poster.original

diz que me mudei há 3 anos…

09/04/2013

… e parece que foi ontem!!! Lembro exactamente como se fosse hoje o porquê e a forma da mudança…

niver wordpress

carioquices #1: apresentando o Rio

07/04/2013

A cidade do Rio de Janeiro é capital do estado com o mesmo nome. É a segunda maior cidade do Brasil com quase tantos habitantes como Portugal. Foi capital do Império Português, do Império Brasileiro e do Brasil (até se mudar para Brasília) e é hoje o maior destino turístico do Hemisfério Sul. Hoje é sede das maiores empresas brasileiras e de uma das maiores rede/grupo media do mundo (Globo). Tem praia, floresta, maravilhas do mundo, luxos e favelas, que se espalham por toda a cidade, colorindo a vista e lembrando que o  Rio não é só coisa boa.

O Rio está dividido em várias zonas: Sul, Norte, Oeste e Centro. Cada zona, com suas características específicas, suas gentes e formas de viver distintas, contribui para uma metrópole plural e diversa, onde tudo é permitido e muito pouco é criticado. A cidade não é um todo, é um conjunto de pequenos todos que precisam ser ententidos individualmente. O luxo e o turismo da zona sul, a gente boa e simples da zona norte, os patricinhos e actores da zona oeste, as empresas e a boêmia do centro, constituem uma heterogeneidade cativante.

E depois, tem as praias lindas, os parques naturais, as lagoas, a floresta da Tijuca, o Cristo, o Pão de Açucar, …. Uma mão cheia de maravilhas naturais e humanas que nos enchem a alma de uma sensação de beleza extasiante.

Assim, no geral, é isto que para já me ocorre dizer sobre o Rio.

Daqui para frente, entrarei em detalhes do que vou vendo e vivendo 🙂

DSC_0043

banda sonora da minha vida #60 das descobertas desta nova casa

05/04/2013

A claridão de Silva

4 horinhas apenas…

04/04/2013

10

que comece o mês da liberdade

01/04/2013

Sempre gostei de Abril. Sempre foi um dos meus meses preferidos. (sim tenho dois meses no ano que me enchem a alma!)

É o mês em que verdadeiramente, e em Portugal, se começa a sentir a Primavera.São as papoilas que enchem os campos e alma. São os primeiros dias de sol quentinho. Os dias maiores. A vontade de vestir cores alegres, de ir para as esplanadas. É o mês em que sentimos o cheiro do verão. Porque depois de meses de frio e chuva, qualquer raio de sol já nos faz querer o quente de Agosto.

É também o mês da liberdade. O mês dos históricos 17 e 25, que embora não presenciado (os “originais”) sempre foram relembrados, celebrados, amados lá em casa. É o mês dos cravos. Os cravos da liberdade e os da avó Alice.  Das canções de intervenção, dos discursos, das revoltas (internas principalmente, ao ver o que se fez com os valores de Abril).

É o mês em que primas, amigas e amigos celebram os seus aniversários (é o mês do ano com mais aniversários entre as minhas pessoas).

E apesar das perdas que este mês, em outros anos, me trouxe, apesar de aqui já ser outono, apesar de não sentir mais essa chegada do quente, continuo a celebrar este lindo mês. Que sejas benvindo:abril

páscoa

31/03/2013

Por razões diversas, nunca gostei muito da páscoa. Era mais uma festa em que reuníamos a família. A família que nós gostamos e que só conseguimos reunir de vez em quando. Quando estamos “perto” de quem mais gostamos, não percebemos muitas vezes o valor destes momentos. É normal. Mas não devia. É na falta deles que pensamos em como devíamos ter aproveitado e não aproveitámos. E embora nunca tenha gostado muito da páscoa, nem do cabrito, nem do arroz doce, este ano sentiu-se a falta.

Mas como em tudo, esta vida nova trouxe-me algo diferente: uma páscoa recheada de amizada e muito gostosa, numa reunião de amigos tugas e zucas, com bacalhau e creme de cupuaçu gelado, na inauguração da casa nova. Muita conversa jogada fora, brindes e skypadas pra falar com a família do outro lado atlântico, ajudou a que se tornasse num dia para mais tarde recordar!!!

1 ano

30/03/2013

O “meu sobrinho” Miguel faz hoje um ano.  E tal como no dia do seu nascimento eu estou longe. Longe demais para o esborrachar numa abraço apertado e cheio de amor, enchê-lo de beijos e mimos. Mas eu sei que no coração estamos  muito perto e sei também que a mami dele faz tudo pra ele saber quem eu sou e pra ele saber o quanto eu gosto dele, o quanto ele significa para mim. Porque ele significa muito 🙂 E nem os 10000 km de distância que nos separam me farão esquecer e não amar o seu sorriso maroto!! Parabéns Miguel! Que a vida te traga muitaaaaaa felicidade!!! E saúdinha aos teus paizinhos que me vão mantendo a par dos sorrisos, passos e babas!! 😀

banda sonora da minha vida #59 universo paralelo

24/03/2013

Estes senhores conseguem transportar-me para outro universo completamente diferente de cada vez que os oiço.

Este Sunday smile então… Tudo a ver com domingos solarengos de outono 🙂

confirmando a teoria

20/03/2013

“Os cariocas são como o Cristo Redentor: recebem sempre todos de braços abertos, mas nunca os fecham”

das cores…

20/03/2013

… do outono no Rio

909059635_6d52703619_z

das origens deste cantinho

20/03/2013

   I

– Eu sou a Maria Sardinha,

– António  Carapau chamam a mim:

Eis, senhoras e senhores, a historinha,

Mui perto de Castro Marim!

II

Maré a encher no Sapal:

– Oh! Eles aí vêm, Maria!

O Zé Pinto sempre normal,

O Armando espera boa pescaria!

III

– Maria, com as canas ao ombro

Na marginal compraram o isco.

Pensam: Ai, vai ser um assombro

Quando formos ao petisco!

IV

– Atenção António Carapau:

Não te deixes enganar,

Secos que nem um pau

À caravana hão-de chegar!

V

– Descansa, tu, Maria:

Àqueles dois fanfarrões

Não daremos alegria,

Pelo contrário, desilusões!

VI

– Pões de fora os olhitos…

Dirão eles: – Já cá canta!

Maria, foges aos saltitos.

Ai, que grande garganta!

VII

– Ora foges tu, ora fujo eu!

Vamos trocar-lhes os olhos:

Enquanto olham p’ro céu,

No anzol limos aos molhos!

VIII

 Hoje, p’ro molhe de Vila Real

Os vemos mesmo mudar.

Mas, mais uma “grade” banal

P’ro Parque hão-de levar!

IX

Aqui, a contemplar o Farol

Mais fácil será a ilusão.

Esquecerão mesmo o anzol

Com este calor de Verão:

X

– Olha, olha, amigo Zé!!!

O calmo mar muito excitado!

– Armandinho, é verdade, é:

De S. Tomé um tornado???

XI

– À tona d’água vai ficando

Muito, muito calmamente,

– Uma coisa negra boiando?

Será o Adamastor? Será gente?

XII

– Muito, muito esquisito!!!

Será uma Fada? O Aladino?

– Nada disso, amiguito:

 É um SUBMARão alemINO!!!   

 

XIII

Do Armandinho invenção.

Para contar à Maria Inês,

História p’ra sua diversão,

À noite e de quando em vez!!!

por A.C.

do dia do pai

19/03/2013

sdfs

[esta imagem vale mais que mil palavras sobre o meu pai... esta era uma imagem mais do que recorrente na minha infância... esta é a imagem que melhor retrata a nossa relação porque de tudo o que vivemos juntos, o que me vem à cabeça em primeiro lugar quando penso nele, são as histórias e estórias contadas por ele 😀 ]

Apesar de achar que todos os dias devem ser do pai e mãe, é inevitável não  festejar estas datas simbólicas, pois desde sempre me lembro de ser gente me lembro de o comemorar. Primeiro a minha mãe comprava uma lembrancinha por mim e eu fazia só um desenho. Depois com a chegada da semanada, sempre poupava alguma coisa para comprar algo. Mas nunca deixei os postais ou desenhos.  Na verdade até gosto mais destes. São mais simbólicos e especiais. E não fossem os acontecimentos das últimas semanas, um postal teria chegado agora em envelope amarelo e verde! Mas como acredito que nunca é tarde pra nada, ele seguirá! Prometo 😉

Este é o segundo dia do pai em que estou longe do meu. E custa. Custa por estar longe. Custa porque não lhe posso dar um abraço apertado. Custa porque este é primeiro 19 de Março que paínho passa sem o dele. Custa como custam todos os outros dias. E apesar das conversas diárias, custa a falta do abraço.

Mas a vida (e as vivências neste país do alto astral) fazem-me cada vez mais pensar só nos pontos positivos das questões. Assim, hoje celebro o facto de ainda ter o meu pai comigo com saúdinha (no geral), discernimento e boa disposição. Celebro o que ele é para mim e o que eu sou para ele. Celebro as nossas conquistas juntos. Celebro a nossa amizade. Celebro o exemplo de vida que ele é para mim. Celebro a sua vida repleta de sucessos com família, os seus amigos e alunos, com os meus amigos. Celebro a gargalhada pronta depois da própria piada (igualzinho ao avoinho que tanta saudade deixou). Celebro-o a ele próprio. Porque é um orgulho e um prazer ter o Tio Armando e o Mr. Cunha como MEU pai 😀

Um abraço FECHADO e do tamanho do mundo, paizinho do meu coração 🙂

banda sonora da minha vida #58 das minhas paixões ou mais uma declaração de amor

15/03/2013

Não tenho como evitar. Ele é uma das grandes paixões (platónias, entenda-se) da minha vida.

Além da voz e da maravilhosa capacidade de escrever e compor, a musicalidade que tem e transmite fazem-me pensar que se o conhecesse, facilmente me apaixonaria a sério! Exagerada? Talvez. Mas as melodias dele e cantadas por ele entranham-se em mim de forma completamente diferente de tudo o resto e de uma forma muito especial.

Aqui pra ver quem é e ouvir um pedacinho do que vem aí de novo!

o dia da virada

13/03/2013

Depois de semanas de tristeza, parece ver-se ao fundo do túnel a luz, ou fumaça branca (já que estamos em tempos de conclave).

Será desta?

banda sonora da minha vida #57 à Maria Rita e aos seus papis :)

08/03/2013

Linda, Bem vinda
O mundo já está tão melhor
Nesse dia, Sorria
Que o amor já se sabe de cor

banda sonora da minha vida #56 indecisões #3

05/03/2013

esta?

ou esta?

carioquices #0: um ano de Rio

02/03/2013

 Há quem muito reclame porque quase não falo da cidade que me acolheu faz hoje um ano.

Eu não sou lá grande coisa a cumprir promessas de escrever mais, porque para mim a escrita é quando surge. Mas para me policiar e tornar os meus (5) leitores mais cultos (or not),  decidi criar uma rubrica sobre o Rio. Festas, feiras, monumentos, bares, botecos, expressões, bairros, praias, clima, compras.  Sem periocidade nem tipologia definidas, começam hoje aqui as carioquices.

CIMG5738

[esta foi a primeira imagem que tive do Rio, faz exactamente agora um ano]

é o dia

02/03/2013

marc3a7o

eu ia…

01/03/2013

manif6

723 anos de universidade

01/03/2013

queimas 2010 166

448 anos de cidade maravilhosa

01/03/2013

wallpaper02

os meus sobrinhos

28/02/2013

Embora filha única e consequentemente sem chance alguma de ter “sobrinhos de sangue”, tenho cada vez mais sobrinhos. Abençoadinhas as suas mães e minhas amigas, que me deixam chamá-los e tratá-los como tal!!
 E eu, nada na onda de ter crianças, o que me derreto a ver as fotos e videos do M. com 7 dentes e a dar os primeiros passos (yeeeiiiiiii), do V.  com 2 dentes e aquele caracol desenhado na testa, do D. vestido de Mickey e descontraído sorriso, da C. na sua primeira semana de vida?
Lá mais para o Verão tuga, espero conhecer mais dois. Sem nome ainda porque o número de semanas nas barrigas de suas mães não permite definições desse tipo, mas já com a certeza de amá-los como se fossem do meu sangue!

E que venham mais sobrinhos!!!! 🙂