Skip to content

coincidências de pensamento

11/01/2012

Dias há em que alguém consegue verbalizar algo que nós não conseguimos. Porque se calhar é mesmo esse algo que nos tolda o pensamento e os actos. Como este pedaço de texto vindo directamente daqui.

“As relações, sejam namoros sérios, sejam casamentos, não podem ser clausuras nem estádios que nos tiram dimensão humana. Devem ser etapas de crescimento e conhecimento mútuo. Devemos procurar crescer e fazer crescer, promover a descoberta e o conhecimento, e não o contrário. Mas o que acontece, muitas vezes, é o contrário. E acontece porque as pessoas são demasiado diferentes e teimam nas suas diferenças, como se fossem traços de caráter imutáveis e irreversíveis. Toda a gente pode e deve mudar, se essa mudança for para melhor. Mas nem todos estão dispostos a esse esforço e continuam a achar que é obrigação do outro amar-nos tal como somos, aceitar essas diferenças, resignar-se, e pronto, aprender a viver com elas. Claro que há coisas que são assim, mas há muitas que não são. Não nos podemos vergar perante atitudes do outro que nos afectam e nos tornam piores. Uma relação não é uma vida no plural, são duas vidas que convergem num mesmo caminho, se esse caminho as fizer felizes. E quando não faz, essas mesmas duas vidas mudam de rumo, procuram outra estrada, porque aquela as leva a lado nenhum. E por essa, acho, ninguém quer ir.”

Anúncios
No comments yet

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: